Quem te ensinou?


Quem te ensinou o segredo
e a forma de assim colorir?
Quem te criou o perfume?
Quem te fez sorrir?
( O seio assim despojado
o corpo e a voz sem brilhar
silêncio de todas as cores
domínio da luz sobre o tempo).

Quem te viveu os momentos
de desespero e abandono
ao ar, ao sol, teus lamentos?
Quem te sofreu as tragédias
sob mão assassina e lasciva?
Quem te sentiu os instantes
de morte, paz e miséria

No jarro inútil,prisão colorida,
já não és mais a mesma voz.
O seio murchou e o perfume
desfez-se. Ninguém reparou.
Quem te fará outra vez?

Fernando Py.